quarta-feira, 26 de maio de 2010

Insónia, Ansiedade e Depressão

A insónia é, talvez, o distúrbio do sono mais conhecido, bem como o mais frequente.

A insónia é a dificuldade em conciliar o sono ou permanecer adormecido, ou uma alteração no padrão do sono que, ao despertar, leva à percepção de que o sono foi insuficiente.

A insónia não é uma doença, mas um sintoma. Pode ser consequência de diversas perturbações emocionais e físicas e do uso de medicamentos.

A dificuldade em conciliar o sono é frequente entre jovens e idosos e muitas vezes manifesta-se no decurso de alterações emocionais, como a ansiedade, o nervosismo, a depressão ou o medo.

Há mesmo pessoas que têm dificuldade em conciliar o sono simplesmente porque não experimentam cansaço, nem físico nem mental.

Porém, importa referir que as pessoas tendem a dormir menos à medida que envelhecem. Embora normais, estas mudanças no padrão do sono fazem com que as pessoas adultas pensem que não estão a dormir o suficiente. No entanto, não existem provas de que as pessoas saudáveis de idade avançada necessitem de dormir tanto como os jovens nem que requeiram medicamentos para dormir com o objectivo de evitar estas alterações normais associadas à idade.

O padrão da insónia da primeira hora da manhã é mais frequente nas pessoas de idade avançada.
Algumas pessoas conciliam o sono normalmente, mas despertam várias horas antes da hora habitual, não conseguem voltar a adormecer com facilidade e, por vezes, têm um sono inquieto e pouco reparador.

Em qualquer idade, o facto de despertar muito cedo pode ser um sintoma de depressão.
As pessoas com uma alteração no seu padrão de sono podem experimentar inversões no ritmo do sono, isto é, conciliam o sono em horas menos adequadas e não conseguem dormir quando deveriam fazê-lo. As inversões no ritmo do sono reflectem geralmente um desfasamento horário devido a uma viagem de avião (especialmente de leste para oeste), turnos de trabalho nocturno irregulares, mudanças frequentes de horários ou o abuso de bebidas alcoólicas. Por vezes, devem-se ao efeito secundário de um fármaco.

O padrão de sono pode ver-se alterado por lesões no relógio interno do cérebro (provocadas por uma encefalite, uma doença de Alzheimer, por exemplo).

Podemos identificar vários tipos de insónias:

A insónia psicofisiológica é caracterizada por elevados índices de activação e associações adquiridas relativamente ao sono, que estão relacionados com uma enorme preocupação com a incapacidade de dormir.

À percepção inadequada do sono, ou seja, quando o indivíduo tem a noção que não dorme, embora a repercussão diurna não seja compatível com isso, dá-se o nome de insónia paradoxal.

A insónia idiopática tem um início progressivo desde a infância e sem evidência clara de qualquer problema subjacente.

Também poderá ocorrer a insónia originada por distúrbios mentais, em especial aqueles que estão associados a alterações de humor ou a uma doença afectiva, como a ansiedade ou a depressão.

Outras situações são a insónia por higiene inadequada do sono, devida ao uso de drogas ou substâncias (incluindo medicamentos), assim como originada por uma doença que, pela sua natureza, perturbe o sono (dor, tosse, falta de ar, etc.).

Por fim, a insónia comportamental da criança, que está ligada a uma situação identificável, como seja a ausência de objecto ou de situação habitualmente utilizada para o início do sono.

A Insónia Surge em qualquer fase da vida

Dependendo do tipo de insónia, pode surgir como manifestação em qualquer fase da vida, da criança ao idoso, sem evidência de predomínio segundo o sexo.

Podemos apontar como consequências das insónias:

Se as manifestações mais imediatas se prendem com o cérebro (onde o sono é determinado) e têm a ver com aumento da sonolência, a diminuição das capacidades associadas à concentração, atenção, memória, aos distúrbios de humor e à diminuição da capacidade de desempenho de um modo global, a prazo, podem ser esperadas repercussões orgânicas de diversa ordem, incluindo um aumento de risco de doença cardiovascular.

Quanto à terapêutica, passa pelo tratamento da situação subjacente que condiciona a insónia.

Como grande parte das insónias são causadas por factores de ordem emocional o acompanhamento psicológico e psicoterapêutico são de extrema importância e eficácia, uma vez que vão ajudar o paciente a identificar e resolver os factores que estão a provocar um elevado nível de stress interno no sujeito e pode estar na origem da insónia.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Perturbações do sono: Quando o descanso merecido é perturbado

O sono é uma necessidade fisiológica. O sono é uma função essencial ao bem estar do dia-a-dia, tanto físico como psíquico. Se não dormimos bem ficamos cansados, irritáveis, incapazes de tarefas mais complicadas, e temos muitas vezes uma grande vontade de dormir. Isto quer dizer que o organismo tende a repor o sono em falta, mas as compensações nunca são perfeitas.

A impossibilidade de ter um sono profundo e repousante nas sociedades desenvolvidas, é uma das causas mais frequentes de depressão, exaustão cerebral, deficiente desempenho escolar e desequilíbrios hormonais.

O recurso a medicação ansiolítica e indutores do sono é a opção habitual. Nem sempre, no entanto, são uma solução satisfatória e os efeitos secundários não são negligenciáveis.

Existem várias perturbações do sono:

A Insónia (não conseguir dormir)

A Narcolepsia (sonolência excessiva e tendência a dormir em horas inapropriadas e em qualquer lugar),

O Bruxismo (ranger dos dentes),

A hipersónia (necessidade inata de dormir muito)

A Apneia durante o sono é um grupo de perturbações graves em que a respiração se suspende repetidamente durante o sono (apneia) um tempo suficientemente prolongado para provocar uma desoxigenação sanguínea e cerebral e aumentar a quantidade de anidrido carbónico.

As parasónias (alterações do sono, como as pernas inquieta, pesadelos, terrores nocturnos, sonambulismo, entre outras).

Destas perturbações do Sono as Insónias e a Narcolepsia são as que estão mais intimamente ligadas a factores psicológicos e emocionais, e com mais consequências psicológicas para o sujeito e as que incluem na sua terapêutica o acompanhamento psicológico. As restantes Perturbações do Sono, têm origem marcadamente fisiologica e neuronal, pelo que os eu tratamento é essencialmente farmacológico e no caso da apneia, cirúrgico.

Insónia: sono esperado que tarda
A insónia é, talvez, o distúrbio do sono mais conhecido, bem como o mais frequente.

A insónia é a dificuldade em conciliar o sono ou permanecer adormecido, ou uma alteração no padrão do sono que, ao despertar, leva à percepção de que o sono foi insuficiente.

A insónia não é uma doença, mas um sintoma. Pode ser consequência de diversas perturbações emocionais e físicas e do uso de medicamentos.
A dificuldade em conciliar o sono é frequente entre jovens e idosos e muitas vezes manifesta-se no decurso de alterações emocionais, como a ansiedade, o nervosismo, a depressão ou o medo.
Há mesmo pessoas que têm dificuldade em conciliar o sono simplesmente porque não experimentam cansaço, nem físico nem mental.

As pessoas tendem a dormir menos à medida que envelhecem. Embora normais, estas mudanças no padrão do sono fazem com que as pessoas adultas pensem que não estão a dormir o suficiente. No entanto, não existem provas de que as pessoas saudáveis de idade avançada necessitem de dormir tanto como os jovens nem que requeiram medicamentos para dormir com o objectivo de evitar estas alterações normais associadas à idade.

O padrão da insónia da primeira hora da manhã é mais frequente nas pessoas de idade avançada. Algumas pessoas conciliam o sono normalmente, mas despertam várias horas antes da hora habitual, não conseguem voltar a adormecer com facilidade e, por vezes, têm um sono inquieto e pouco reparador. Em qualquer idade, o facto de despertar muito cedo pode ser um sintoma de depressão.

As pessoas com uma alteração no seu padrão de sono podem experimentar inversões no ritmo do sono, isto é, conciliam o sono em horas menos adequadas e não conseguem dormir quando deveriam fazê-lo. As inversões no ritmo do sono reflectem geralmente um desfasamento horário devido a uma viagem de avião (especialmente de leste para oeste), turnos de trabalho nocturno irregulares, mudanças frequentes de horários ou o abuso de bebidas alcoólicas. Por vezes, devem-se ao efeito secundário de um fármaco.

O padrão de sono pode ver-se alterado por lesões no relógio interno do cérebro (provocadas por uma encefalite, uma doença de Alzheimer, por exemplo).

Podemos identificar vários tipos de insónias:

A insónia psicofisiológica é caracterizada por elevados índices de activação e associações adquiridas relativamente ao sono, que estão relacionados com uma enorme preocupação com a incapacidade de dormir.

À percepção inadequada do sono, ou seja, quando o indivíduo tem a noção que não dorme, embora a repercussão diurna não seja compatível com isso, dá-se o nome de insónia paradoxal.

A insónia idiopática tem um início progressivo desde a infância e sem evidência clara de qualquer problema subjacente.

Também poderá ocorrer a insónia originada por distúrbios mentais, em especial aqueles que estão associados a alterações de humor ou a uma doença afectiva, como a ansiedade ou a depressão.

Outras situações são a insónia por higiene inadequada do sono, devida ao uso de drogas ou substâncias (incluindo medicamentos), assim como originada por uma doença que, pela sua natureza, perturbe o sono (dor, tosse, falta de ar, etc.).

Por fim, a insónia comportamental da criança, que está ligada a uma situação identificável, como seja a ausência de objecto ou de situação habitualmente utilizada para o início do sono.

A Insónia Surge em qualquer fase da vida

Dependendo do tipo de insónia, pode surgir como manifestação em qualquer fase da vida, da criança ao idoso, sem evidência de predomínio segundo o sexo.

Podemos apontar como consequências das insónias:

Se as manifestações mais imediatas se prendem com o cérebro (onde o sono é determinado) e têm a ver com aumento da sonolência, a diminuição das capacidades associadas à concentração, atenção, memória, aos distúrbios de humor e à diminuição da capacidade de desempenho de um modo global, a prazo, podem ser esperadas repercussões orgânicas de diversa ordem, incluindo um aumento de risco de doença cardiovascular.

Quanto à terapêutica, passa pelo tratamento da situação subjacente que condiciona a insónia.

Como grande parte das insónias são causadas por factores de ordem emocional o acompanhamento psicológico e psicoterapêutico são de extrema importância e eficácia, uma vez que vão ajudar o paciente a identificar e resolver os factores que estão a provocar um elevado nível de stress interno no sujeito e pode estar na origem da insónia.

Para a manifestação em si, o recurso, cauteloso e controlado, de indutores ou promotores do sono pode ser utilizado.

A Hipersónia aparece antes dos 25 anos

Ao contrário da insónia, a hipersónia significa, etimologicamente, sono a mais. Desta forma, pode ser intermutável com sonolência excessiva durante o dia, sendo que qualquer situação que leve a privação da quantidade ou qualidade do sono pode manifestar-se através da hipersónia.

Existe um conjunto de distúrbios particulares, denominado de hipersónia de origem central, na qual a manifestação de hipersónia não pode ser associada a distúrbio do sono nocturno ou alteração do ritmo sono-vigília.

Neste grupo incluem-se a narcolepsia, a hipersónia idiopática, as hipersónias recorrentes ligadas a situações específicas como a menstruação, ou as hipersónias associadas a condições médicas (traumatismo craniano, encefalite, tumor cerebral, etc.) ou, ainda, associada a utilização de drogas e substâncias.

Não se sabe a origem da hipersónia idiopática, podendo haver uma predisposição familiar que traduza defeito genético, mas não está provado.

Uma situação deste género aparece habitualmente antes dos 25 anos de idade e, por norma, mantém-se estável em termos de gravidade e duração. A utilização de medicação de acção estimulante e regras de higiene do sono constituem o tratamento de base.

Narcolepsia: aparecimento súbito e inesperado do sono

Estima-se que a narcolepsia afecte entre 0,02 e 0,2% da população a nível mundial, sendo um distúrbio bastante raro, que se caracteriza por sonolência excessiva, por vezes sob a forma de «ataques de sono», isto é, a pessoa adormece incoercível e subitamente.

Associados aos «ataques» poderão ocorrer episódios de perda da força muscular, generalizada ou localizada, em resposta a estímulos emocionais fortes, como o riso, o susto ou a irritação. A estes episódios dá-se o nome de cataplexia, podendo ser interpretados como desmaios ou até crises epilépticas, mas o doente mantém-se sempre consciente.

A Narcolepsia provoca graves limitações no dia-a-dia e leva muitas vezes à depressão.

A sintomatologia pode aparecer durante a infância, mas costuma ser mais evidente entre os 11 e os 20 anos. Geralmente, as manifestações deste distúrbio não aparecem em simultâneo, vão surgindo e geralmente a primeira é a sonolência diurna excessiva.

Esta perturbação é benigna, contudo, poderá causar graves limitações no quotidiano, não apenas consequências da sonolência, mas também pelas manifestações da cataplexia, sobretudo na esfera social.

A ansiedade ou depressão e a perda de auto-estima atingem o doente narcoléptico e resultam muitas vezes do estigma social que classifica como preguiça ou desinteresse as manifestações de sonolência. Por outro lado, as manifestações de cataplexia, que podem manifestar-se por episódios de queda abrupta, por exemplo, num acesso de riso, podem ser objecto de algum constrangimento social.

Tal como a Insónia o Acompanhamento Psicológico na Narcolepsia e Hipersónia revelam-se muito importantes e eficazes pois ajudam o sujeito a resolver problemas e tensões internas que estão na origem da sua perturbação do sono.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Quando dois se tornam três: a mudança que o nascimento de uma criança traz numa relação conjugal.

Quando um casal tem um filho, seja essa criança planeada ou surja de forma ocasional, uma nova família será constituída a partir desse nascimento, ou melhor, podemos dizer que desde a confirmação da gravidez surgem alterações na relação do casal. Mãe e pai deixam de ser apenas parceiros e filhos para passarem a ser pais. A mudança de papéis e funções alteram-se em consequência do nascimento deste primeiro filho.


Esta nova família nuclear que se forma é produto de um casal que vem de famílias diferentes e que transporta consigo a genética, os valores e histórias das suas famílias de origem. Tudo isso é uma enorme influência na configuração da nova família. Cada membro do casal traz para a educação dessa criança tudo aquilo que recolheu da sua própria vivência familiar.

A primeira alteração que surge na dinâmica do casal está relacionada com o estado físico da mulher que a partir de alguns meses de gravidez pode condicionar (dependendo do estado de saúde da mulher), em situações anormais o relacionamento sexual do par. A frequência pode diminuir ou podem mesmo deixar de existir durante alguns meses. Se a relação afectiva entre os dois não for sólida e madura, poderá ser um abanão na relação do casal. Por vezes surgem as infidelidades e a poderá até existir uma ruptura dessa relação. Um dos sinais de que essa relação poderá ser sentida como insegura por parte da mulher tem a ver com o aparecimento dos tão falados enjoos, que não são mais que manifestações somáticas da insegurança afectiva ou muitas vezes da rejeição inconsciente da gravidez por parte da futura mãe. Por vezes desaparecem, quando a vinda da criança é aceite ao nível inconsciente e a mãe se sente mais segura na relação com o marido, ou seja, não vai ser abandonada.

O nascimento do primeiro filho é uma fase de profunda transformação na vida do casal, criando novos papéis, principalmente o de mãe e de pai, o que, de alguma maneira irá ter repercussões na relação conjugal. Além disso, esta etapa do ciclo de vida familiar irá afectar toda a família ampliada, alterando papéis e exigindo uma reorganização de todo o sistema familiar.

Com o nascimento da criança a tensão aumenta no seio da família e entre o casal, é uma tensão dita normativa, e pode ser vivida com maior ou menor ansiedade, variando esse aspecto conforme foi vivido pelas gerações anteriores, ou seja, se o nascimento das crianças foi vivido com calma e serenidade na família dos progenitores decerto esse sentimento e essa vivência será perpetuada, se pelo contrário foi vivido com ansiedade então é provável que volte a acontecer, dificultando a adaptação da criança e dos pais a uma nova situação.

Muitos casais com problemas ao nível do relacionamento idealizam o nascimento da criança como um momento mágico acreditando muitas vezes que ele irá resolver problemas conjugais e familiares. No entanto, embora isso possa acontecer, muitas vezes sucede o contrario, os conflitos e os problemas agudizam-se, pois agora existe mais um membro que durante quase todo o tempo exige a atenção da mãe e do pai, deixando durante muito tempo pouco espaço para o casal. As mudanças na vida conjugal são tão abruptas que muitos casais não resistem a elas. Outros acreditam que com o nascimento vão ficar mais unidos e acabam por se afastar devido a discórdias e discussões que podem levar mesmo à separação.

Alguns casais unem-se, de facto, assumindo o papel quase de missionários, pois muitas vezes esta criança vem cumprir uma função na família.

Estes são alguns aspectos da alteração da dinâmica familiar, no entanto existem outros, específicos de cada família, que não estão aqui mencionados.

A ansiedade desta fase é inevitável, mas nem sempre é geradora de conflitos, no entanto é importante o casal tomar consciência das alterações que a sua vida irá sofrer. Frequentar grupos terapêuticos de aconselhamento (quando existam duvidas e ansiedades) poderá ajudar os membros do casal a desmistificar e a elaborar medos e ansiedades decorrentes dessa nova mudança de papéis.

Tristeza ou Depressão?

Artigo publicado in " Saúde Activa", Outubro de 2010, por Maria de Jesus Candeias, Psicoterapeuta A tristeza é uma reacção ...

Publicações mais lidas