COVID-19 |Informação

Informação| COVID-19

Estimados seguidores,

Informo que continuo a dar consultas, mas durante esta fase de pandemia, exclusivamente via online.

Mais informações: 919918225 ou jesuscandeias@gmail.com

terça-feira, 15 de dezembro de 2020

“Os rituais levam-nos a fazer balanços e a ver o que é preciso mudar, mas não há milagres: é preciso fazer por isso”

A psicóloga, psicoterapeuta e investigadora Maria de Jesus Candeias, um dos membros fundadores da PsiRelacional, aborda os efeitos psicológicos de um ano negro e o valor dos rituais para entrar num novo ciclo com saúde e resiliência



2020 foi um annus horribilis à escala global. Com perdas e ameaças de toda a ordem, colocou as relações humanas à prova, mas trouxe também a possibilidade de nos reinventarmos e de integrar o que vivemos com um novo olhar, mais empático, flexível, ajustando comportamentos

Quando o ano começou, não imaginávamos ter de testemunhar tanto medo, dor e privação social. Para muitos, foi a impossibilidade de velar os seus mortos, para outros, a ausência de suporte na hora de trazer alguém ao mundo, num ambiente asséptico e sem o contacto físico que tinham por garantido. 

A gestão desta nova realidade não tem de ser um processo traumático se houver espaço para falarmos uns com os outros e reorganizarmos emoções e pensamentos 


“A pandemia tirou-nos o chão e começou por ser vivida como um tempo de estranheza e de desorientação”, reconhece a psicóloga Maria de Jesus Candeias. Porém, “a gestão desta nova realidade não tem de ser um processo traumático se houver espaço para falarmos uns com os outros e reorganizarmos emoções e pensamentos”. 

Para muitos, a maior dificuldade consistiu em gerir o dilema psíquico: a saúde ou a relação? Ficar perdido nessa visão dicotómica pode conduzir a defesas menos saudáveis, pela incapacidade de tolerar o que está a acontecer, que se manifestam em posições extremas, do isolamento excessivo à negação da realidade. O desafio é conseguir integrar a atual realidade e ter em mente que a crise é transitória: “O melhor indicador de saúde mental está na capacidade de ajustar atitudes e comportamentos, com flexibilidade, e dar tempo ao tempo, sem rigidez mental.”

Uma das coisas que este ano com sabor amargo trouxe foi levar-nos a repensar os modelos sociais que nos pautam: “O ‘eu quero, eu tenho; eu desejo e acontece’ geram frustração permanente; há que tolerar a frustração e admitir alguma dose de sacrifício.”

Nesta quadra natalícia, com alívio das restrições a que assistimos nos últimos meses, “é preciso relativizar, ter moderação e adiar a gratificação que virá, respeitando esse tempo de espera com responsabilidade e valores, como a empatia.” 

O poder dos rituais

Com o Novo Ano à porta, importa lembrar a importância dos rituais e das celebrações. Podem ser os velórios, “que têm uma função psíquica de expressar a dor”, ou as comemorações que marcam a transição para um novo ciclo, deixando para trás o anterior. “As datas simbólicas que trazem a possibilidade de esperança e de transmutação no novo ciclo, pois o nascimento de uma ação começa no desejo e no pensamento”, diz Maria de Jesus Candeias.

As celebrações e votos de ano novo têm, por isso, uma função securizante e terapêutica, na medida em que constituem âncoras para nos reorganizarmos: “Os rituais levam-nos a fazer balanços e a ver o que é preciso mudar, mas não há milagres e soluções imediatas, é preciso fazer por isso.” 

Depois de um ano trágico que está a chegar ao fim, há um caminho a percorrer e que é feito de pequenos passos, tendo presente que amanhã é outro dia e que tudo é possível. 

Entrevista cedida por Maria de Jesus Candeias ao Programa Conversas com Saúde da Revista Visão


quinta-feira, 18 de junho de 2020

Quando é que a ansiedade se torna uma doença?

A ansiedade é uma emoção normal que existe em todos os seres humanos e de extrema importância para a sobrevivência.

É com a ansiedade que nós aprendemos a proteger-nos dos perigos fisicos e psicológicos.

Ficamos ansiosos quando antevemos o perigo de sermos assaltados, agredidos física ou verbalmente, dos nossos filhos serem atropelados na rua, entre muitas outras situações em que a ansiedade nos impele a preservar a integridade.

Portanto, a ansiedade é uma emoção reguladora da sobrevivência da espécie e como tal através da sua acção o ser humano aprende a defender-se do perigo. Esta é a função normativa da ansiedade, que, se estiver regulada(uma ansiedade normativa) desaparece rapidamente e, actua sobretudo como estimulante, ou seja, o ser humano precisa de manter níveis de ansiedade normais, para que consiga efectuar tarefas de qualquer natureza.

Quando o homem deixa de conseguir regular a ansiedade é porque ela se tornou patológica, logo fora do controlo da pessoa. Pode ter niveis de ansiedade elevados ao máximo,como pode não possuir qualquer ansiedade normal, que seja geradora de algum tipo de trabalho ou actividade. Em ambos os casos falamos de patologia.

O que é que causa a ansiedade?

As dificuldades da vida são normalmente o factor desencadeante da ansiedade patológica e nos casos agudos da angústia.

Além disso as dificuldades pessoais de inserção na sociedade, os conflitos internos do domínio afectivo, emocional e sexual podem conduzir a uma sintomatologia ansiosa.

As investigações indicam que toda a pessoa que sofre de ansiedade grave tem um profundo sentimento de desamparo psíquico oriundo de relações parentais pouco seguras ou de uma insegurança total, portanto, o que subsiste é o sentimento de desamparo e sentimentos depressivos.

Há relação entre ataque de pânico, fobias e ansiedade?

Claro que há. A fobia é um medo irracional de um objecto/animal ou situação. Os ataques de pânico são uma manifestação aguda de angústia sem causa aparente declarada, que podem paralisar um indivíduo através da sensação de asfixia ou medo de morrer. Todo este conjunto de sintomas não são mais que expressões diferentes de ansiedade.

Há alguma relação entre ansiedade e depressão?

A ansiedade faz parte do quadro clínico da depressão e está associada às alterações de humor e aos estados depressivos.

Podemos assim dizer que todas as pessoas que sofrem de depressão têm graus mais ou menos intensos de ansiedade, assim como quem sofre de ansiedade está deprimida ou em vias de deprimir.

Quais são os sintomas da ansiedade grave?
A ansiedade é acompanhada de vários sintomas físicos:
  • aceleração respiratória,
  • alteração do batimento cardíaco,
  • xixis frequentes,
  • diarreia frequente,
  • desfalecimento das pernas,
  • palidez,
  • contracção ou relaxamento do musculo facial,
  • sudação das palmas das mãos ( resposta galvânica da pele),
  • sudação de todo o corpo,
  • sensação de vertigem.
 Como é que a ansiedade evolui de normal para patológica?

Quando a pessoa já não consegue controlar as emoções e sente-se num estado de ansiedade generalizado, ou seja, em todas as situações da sua vida quotidiana. As emoções descontrolam-se, o cérebro deixa de produzir neurotransmissores e a ansiedade instala-se impedindo a pessoa de funcionar. Aparecem as mais diversas fobias, ou ataques de pânico, geradores de um desconforto enorme.

  O que é e como se manifesta a ansiedade generalizada?

A Ansiedade Generalizada manifesta-se por um estado de tensão, duma inquietude permanente, sem que algum acontecimento exterior o possa explicar. São pessoas que estão permanentemente em sobressalto e sofrem com isso. O sintoma-chave é uma ansiedade ou um medo não realista, e excessivo, face a acontecimentos futuros.

As queixas somáticas são: dores de estômago, dores de cabeça (cefaleias), diarreia, suores e transpiração excessiva, vertigens.... Esta psicopatologia torna-se um handicap porque torna a vida complicada e difícil de ser vivida, nomeadamente no quotidiano, no trabalho e nas relações pessoais.

  Estima-se que a sua prevalência seja de 3 a 7%, com uma incidência mais elevada nos filhos mais velhos e nos filhos únicos. São pessoas muito conscienciosas e que têm necessidade de serem tranquilizadas permanentemente.

A ansiedade generalizada evolui para doença: transforma-se em fobias e obsessões /compulsões.

Tratamento da ansiedade

  Sofrer de perturbação da ansiedade não é nenhuma banalidade nem uma fatalidade.

Os tratamentos para cada tipo de ansiedade variam e são estabelecidos em função da natureza do problema (fobias, obsessões, pânico, etc.) e estabelecidos em função da personalidade do sujeito que as sofre.

  Podemos encontrar ansiedades que se exprimem por outros tipos de sintomas como por exemplo, no caso de homens com ejaculação precoce, ou com impotência sexual, ou casais que há muito tempo tentam ter um filho, etc., depois de se terem realizados os despistes e exames médicos necessários, e ter-se verificado a ausência de efeitos fisiológicos, verifica-se que a ansiedade e a perturbação emocional são um factor enorme e responsável, na manutenção dessas dificuldades.

Ou ainda, pessoas que encontram no álcool, ou nas drogas, um escape para verem as suas angústias e preocupações aliviadas, e acabam por entrar num esquema traiçoeiro onde num primeiro momento as utilizam como qualquer coisa que ajuda a ficar mais calmo e que até dá prazer, mas mais tarde num esquema de dependência.

 Os exemplos podem ser vários, mas o importante a saber é que, uma grande parte das ansiedades patológicas são curáveis, outras serão susceptíveis de melhoramentos consideráveis que permitem, na generalidade, devolver às pessoas uma vida normal.

  O tratamento é combinado em algumas situações, ou seja, com terapia medicamentosa ansioliticos e antidepressivos e psicoterapia em simultâneo.

  
Saliento que só a medicação não resolve o problema é sempre necessário fazer a psicoterapia.

O objectivo da medicação é ajudar a psicoterapia.

segunda-feira, 23 de março de 2020

Psicoterapia Online | COVID 19 e outros




Porquê a Psicoterapia Online?

No contexto actual, a  Pandemia do Covid-19 obrigou-nos a todos a ficar em casa, e porque infelizmente a vida não pára, nem a dor, nem o sofrimento, a Psicoterapia online é uma alternativa para não ficar sozinho na sua dor e procurar ajuda para o seu problema quanto antes.  
Por outro lado, a globalização do mercado de trabalho, a  internacionalização de muitas empresas com representações  em vários países do mundo, fez com que o local de trabalho de muitos pacientes meus, e seguramente de outras pessoas, passasse a ser a o “ Mundo” e não apenas uma “Cidade”. Neste cenário experienciei que na nossa realidade laboral actual, não era possível aos meus pacientes, escolher um Psicoterapeuta fixo numa cidade, nem fazer um acompanhamento Psicoterapeutico regular se não houvesse outra forma de nos comunicarmos.  Senti a responsabilidade de não os deixar sós, e o dever de  os acompanhar no seu percurso profissional que a organização social  dos dias de hoje lhes exigia. Embora com dúvidas inicias sobre o que seria esta relação virtual, e qual a sua eficácia, percebemos que nada seria pior do que interromper o seu processo psicoterapêutico.
Por último, a emigração de muitos jovens adultos nos últimos anos, e os desafios emocionais que estas experiências lhes trouxeram, as perdas das famílias, a solidão num mundo desconhecido, traduziram-se num aumento significativo da procura de consultas online, com um argumento comum:  a necessidade de encontrar um Psicoterapeuta  que falasse a sua língua e compreendesse a realidade social e cultural das suas vivências. Razões essas que compreendi e fundamentaram a minha decisão de aderir a este processo.
Passados  alguns anos, fazendo um balanço baseado na minha  experiência empírica, posso assegurar-vos que consegui, nestes casos, construir com os meus pacientes, uma relação tão íntima e profunda quanto a estabelecida numa psicoterapia face-a-face. Os resultados foram igualmente positivos e significativos.
O QUE É o atendimento à distância (online)?
A consulta feita online (videoconferência) é uma consulta realizada à distância, cuja principal vantagem reside no facto do cliente não necessitar de se deslocar às nossas instalações.
Reservo esta modalidade a pessoas residentes em locais isolados, pessoas com mobilidade reduzida, emigrantes ou expatriados, podendo ter como motivos a distância, doença ou qualquer outra razão que impeça a presença no espaço físico do consultório.

A consulta decorre com as mesmas condições e regras de ética e deontologia de uma sessão convencional.

Quais são as suas principais Vantagens?
1) Tem acesso a um especialista se estiver a residir num país em que os serviços não se encontram disponíveis em português.
2) Usufrui de grande flexibilidade horária ao poder realizar marcações online.
3) Economiza tempo e outros gastos, ao evitar deslocações.

O que necessita para Fazer uma Consulta Online?

1) Um computador, ou telemóvel
2) Ter o software SKYPE instalado ou outro programa a combinar
3) Procurar/adicionar o profissional no SKYPE – maria.jesus.candeias2
4) Estar num ambiente reservado para garantir que não é interrompido durante a  consulta
Desvantagens do atendimento à distância (online)
A não existência de comunicação não-verbal poderá diminuir a riqueza da informação trocada pelo que é importante os participantes comunicarem num nível compreensivo equivalente.

QUE PROBLEMAS PODE AJUDAR A RESOLVER?
·               Depressão
·               Perturbações de ansiedade
·               Alterações de humor
·               Perturbações do sono
·               Obsessões
·               Fobias
·               Medos
·               Perturbações do Comportamento
·               Consequências psicológicas do adoecer físico
·               Dificuldades de realização na vida
·               Dificuldades no estudo e no trabalho
·               Problemas de relacionamento
·               Necessidade de melhor conhecimento de si próprio
·               Problemas sexualidade
·               Ideação Suicida
·               Dependências
·               Entre outros ...
 COMO FUNCIONA o atendimento à distância (online)?
1.            A consulta online é realizada por mim, Maria de Jesus Candeias, Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e Psicoterapeuta Psicanalítica Relacional, Reconhecida pela Ordem dos Psicólogos Portugueses com a cédula Profissional nº 5225.
2.            A consulta online pode utilizar os seguintes suportes à escolha do cliente:
·               Skype, Facetime, Whatsapp, MSN.
Da minha experiência, a conversação associada à imagem visual, é de facto  a mais eficaz, e aquela que mais promove a relação entre paciente e Psicoterapeuta, e é por  isso, que a videoconferência é a minha escolha preferencial.
·               Via Telefone-  Não obstante, e pontualmente, porque a cobertura de redes WI-Fi  nem sempre é  a melhor em todos os países, nomeadamente em alguns países africanos,  algumas sessões, e em caso de falha das comunicações, a sessão poderá ser substituida  por via telefone ou Whatsapp (sem imagem).  
·               Para marcar consulta deve enviar e-mail para jesuscandeias@gmail.com ou contactar para o 00 351 91 991 82 25 informando:
Nome e Idade | Motivo de consulta | Seus dias e horários disponíveis.
Todos os detalhes das sessões, nomeadamente as formas de pagamento, serão acordados posteriormente, pessoalmente, em privado, via email.
Confidencialidade
Tal como na situação face-a-face, o acompanhamento psicológico online é sujeito a critérios de confidencialidade que abrangem toda a informação trocada entre cliente e profissional. 
Resultados de alguns estudos e Fundamentação Legal
Alguns estudos têm observado que pode ser uma forma poderosa de intervenção, e um agente de mudança rápida e efectiva na vida da pessoa. Isto porque se tem observado que a modalidade online estimula intensamente a projecção e as características psico-dinâmicas da díade, o que estimula muito a eficácia e rapidez da intervenção (Suler, 1996).
Tem sido também constatado que as pessoas que comunicam online vão mais directamente ao assunto fulcral de suas preocupações, o que agiliza a intervenção. Vários estudos têm demonstrado a potencialidade desta área, revelando que esta abordagem clínica realizada com o suporte de Internet é mais eficaz do que o não tratamento e tão eficaz como a abordagem face-a-face (Emmelkamp, 2005; Eaton, 2005).
A psicologia online encontra-se internacionalmente devidamente enquadrada em termos legais. Profissionalmente ela é orientada pela Sociedade Internacional para a Saúde Mental Online (ISMHO) e pela American Psychiatric Association.
A ISMHO foi fundada em 1997, tem como missão promover a compreensão, o desenvolvimento da comunicação online a nível da saúde mental, delineando um código de conduta a ser seguido por todos os profissionais que trabalham nesta área online. Possui um grupo de discussão de casos para aprofundamento do estudo de casos clínicos que usam o suporte online e aperfeiçoamento das metodologias de intervenção.
A APA/Div.46 refere-se à Media Psychology e foca-se no papel que os psicólogos têm nos vários aspectos dos média, rádio, televisão, cinema, vídeo, imprensa escrita e novas tecnologias. Desenvolve investigação sobre o impacto que os média têm no desenvolvimento humano, aprofunda o ensino, treino e prática da psicologia dos média, orienta eticamente os profissionais que trabalham neste âmbito.

Se este é o seu caso, e está a ponderar recorrer a esta modalidade de Psicoterapia envie um email para jesuscandeias @gmail, expondo a sua situação.

 Maria de Jesus Candeias, Psicoterapeuta Psicanalítica Relacional

sexta-feira, 20 de março de 2020

COVID-19 | A todos os profissionais de saúde que neste momento lutam por nós, deixo um apelo: cuidem de vós!




Nós estamos com medo, confusos, desorientados, ansiosos, uns mais, outros menos, e alguns até mesmo em pânico. E muito, muito, apreensivos relativamente ao futuro.
E vocês como estão? Vocês que olham de frente o inimigo, como se sentem face a esta assustadora realidade? Como têm gerido os vossos próprios medos, porque afinal vocês também são humanos? Como têm gerido a angústia da ausência da vossa família, e a culpabilidade de os pôr também a eles em perigo, ao escolher ir para a frente de batalha, em defesa de todos nós? Com quem falam sobre as vossas angústias?
A maioria de nós teve a vantagem de vir para casa, e proteger-se no conforto do lar.
Mas vocês não! Não tiveram opção! O espírito de dever e de missão foi mais forte do que o medo, e por isso estão aí, sem tréguas, a lutar contra este monstro invisível que tem dizimado milhares de vidas, dos quais muitos de vocês que estão na frente de batalha.
Na última semana tenho estado em contacto com alguns de vós e por trás da armadura da coragem e da felicidade inevitável de salvar vidas, sinto o cansaço, a exaustão, a ambivalência relativamente às escolhas, a culpabilidade por não estar a ser suficiente para com as famílias e, muitas, muitas outras angustias.
As consequências do COVID-19 não são apenas físicas, são psicológicas também. Ansiedade e depressão são cenários reais em casos de emergência pública.
A OMS alerta: as crises de saúde pública podem trazer como consequências cenários de depressão, ansiedade e stress pós-traumático, e os técnicos de saúde são o principal grupo de risco.
Um estudo desenvolvido por Xiang et al. (2014; disponível online) sobre o impacto do último coronavírus - o SARS —, mostrou que 54% dos sobreviventes manifestou transtorno de stress pós-traumático, enquanto 39% teve depressão.
Uma das formas de lidar com stress durante este surto, referida também pela OMS, é encontrarmos uns minutos diários e falar sobre aquilo que nos consome, preferencialmente pedindo ajuda a um técnico de saúde mental.


Neste momento a solidariedade e entreajuda é a única forma de nos protegermos. A humanidade está posta à prova.
Neste sentido, porque também quero fazer parte desta corrente de solidariedade, contem comigo!
Para o efeito disponibilizo, os meus serviços de psicologia, gratuitamente, a todos os técnicos de saúde que se encontram no terreno, por videochamada, ou telefone, de forma a mantermos a segurança de todos (91 991 82 25 ou jesuscandeias@gmail.com). 
Por tudo isto, no meio do caos e desta catástrofe, encontrem uns minutos diários para cuidarem de vós!
Liguem-me. Não hesitem!
Maria de Jesus Candeias
Psicóloga Clínica, Psicoterapeuta
Telefone/ Whatsapp: 00 351 91 991 82 25
jesuscandeias@gmail.com

sábado, 11 de janeiro de 2020

Depressão na Adolescência: É necessário combater o estigma em Saúde Mental


A taxa de adolescentes com doenças mentais tem vindo a aumentar muito, em Portugal e no mundo, nos últimos anos. 

Devido ao estigma associado às doenças mentais, muitos jovens e adultos, escondem a sua dor, sofrem em silêncio, presos e reféns da sua própria doença.
Sofrer em silêncio, de forma permanente e prolongada no tempo pode conduzir, no limite, à desesperança total, e com ela o própria existência ser posta em causa. 


É esta a mensagem que pretendo passar com o video abaixo, que desenvolvi como forma breve de abordar o tema, e com testemunhos de pessoas que passaram por algum tipo de doença mental. 


Se está em sofrimento, saiba que não é o único! Não é um problema seu! Todos, em alguma  fase da vida, perdemos ou questionamos o sentido da nossa própria vida. 

Se este é o seu caso, procure ajuda, cuide de si!

Maria de Jesus Candeias, Psicóloga Clínica, Psicoterapeuta

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Quando é que a ansiedade é uma doença?

A ansiedade é uma emoção normal que existe em todos os seres humanos e de extrema importância para a sobrevivência.

É com a ansiedade que nós aprendemos a proteger-nos dos perigos fisicos e psicológicos.

Ficamos ansiosos quando antevemos o perigo de sermos assaltados, agredidos física ou verbalmente, dos nossos filhos serem atropelados na rua, entre muitas outras situações em que a ansiedade nos impele a preservar a integridade.

Portanto, a ansiedade é uma emoção reguladora da sobrevivência da espécie e como tal através da sua acção o ser humano aprende a defender-se do perigo. Esta é a função normativa da ansiedade, que, se estiver regulada(uma ansiedade normativa) desaparece rapidamente e, actua sobretudo como estimulante, ou seja, o ser humano precisa de manter níveis de ansiedade normais, para que consiga efectuar tarefas de qualquer natureza.

Quando o homem deixa de conseguir regular a ansiedade é porque ela se tornou patológica, logo fora do controlo da pessoa. Pode ter niveis de ansiedade elevados ao máximo,como pode não possuir qualquer ansiedade normal, que seja geradora de algum tipo de trabalho ou actividade. Em ambos os casos falamos de patologia.

O que é que causa a ansiedade?

As dificuldades da vida são normalmente o factor desencadeante da ansiedade patológica e nos casos agudos da angústia.

Além disso as dificuldades pessoais de inserção na sociedade, os conflitos internos do domínio afectivo, emocional e sexual podem conduzir a uma sintomatologia ansiosa.

As investigações indicam que toda a pessoa que sofre de ansiedade grave tem um profundo sentimento de desamparo psíquico oriundo de relações parentais pouco seguras ou de uma insegurança total, portanto, o que subsiste é o sentimento de desamparo e sentimentos depressivos.

Há relação entre ataque de pânico, fobias e ansiedade?

Claro que há. A fobia é um medo irracional de um objecto/animal ou situação. Os ataques de pânico são uma manifestação aguda de angústia sem causa aparente declarada, que podem paralisar um indivíduo através da sensação de asfixia ou medo de morrer. Todo este conjunto de sintomas não são mais que expressões diferentes de ansiedade.

Há alguma relação entre ansiedade e depressão?

A ansiedade faz parte do quadro clínico da depressão e está associada às alterações de humor e aos estados depressivos.

Podemos assim dizer que todas as pessoas que sofrem de depressão têm graus mais ou menos intensos de ansiedade, assim como quem sofre de ansiedade está deprimida ou em vias de deprimir.

Quais são os sintomas da ansiedade grave?
A ansiedade é acompanhada de vários sintomas físicos:
  • aceleração respiratória,
  • alteração do batimento cardíaco,
  • xixis frequentes,
  • diarreia frequente,
  • desfalecimento das pernas,
  • palidez,
  • contracção ou relaxamento do musculo facial,
  • sudação das palmas das mãos ( resposta galvânica da pele),
  • sudação de todo o corpo,
  • sensação de vertigem.
 Como é que a ansiedade evolui de normal para patológica?

Quando a pessoa já não consegue controlar as emoções e sente-se num estado de ansiedade generalizado, ou seja, em todas as situações da sua vida quotidiana. As emoções descontrolam-se, o cérebro deixa de produzir neurotransmissores e a ansiedade instala-se impedindo a pessoa de funcionar. Aparecem as mais diversas fobias, ou ataques de pânico, geradores de um desconforto enorme.

  O que é e como se manifesta a ansiedade generalizada?

A Ansiedade Generalizada manifesta-se por um estado de tensão, duma inquietude permanente, sem que algum acontecimento exterior o possa explicar. São pessoas que estão permanentemente em sobressalto e sofrem com isso. O sintoma-chave é uma ansiedade ou um medo não realista, e excessivo, face a acontecimentos futuros.

As queixas somáticas são: dores de estômago, dores de cabeça (cefaleias), diarreia, suores e transpiração excessiva, vertigens.... Esta psicopatologia torna-se um handicap porque torna a vida complicada e difícil de ser vivida, nomeadamente no quotidiano, no trabalho e nas relações pessoais.

  Estima-se que a sua prevalência seja de 3 a 7%, com uma incidência mais elevada nos filhos mais velhos e nos filhos únicos. São pessoas muito conscienciosas e que têm necessidade de serem tranquilizadas permanentemente.

A ansiedade generalizada evolui para doença: transforma-se em fobias e obsessões /compulsões.

Tratamento da ansiedade

  Sofrer de perturbação da ansiedade não é nenhuma banalidade nem uma fatalidade.

Os tratamentos para cada tipo de ansiedade variam e são estabelecidos em função da natureza do problema (fobias, obsessões, pânico, etc.) e estabelecidos em função da personalidade do sujeito que as sofre.

  Podemos encontrar ansiedades que se exprimem por outros tipos de sintomas como por exemplo, no caso de homens com ejaculação precoce, ou com impotência sexual, ou casais que há muito tempo tentam ter um filho, etc., depois de se terem realizados os despistes e exames médicos necessários, e ter-se verificado a ausência de efeitos fisiológicos, verifica-se que a ansiedade e a perturbação emocional são um factor enorme e responsável, na manutenção dessas dificuldades.

Ou ainda, pessoas que encontram no álcool, ou nas drogas, um escape para verem as suas angústias e preocupações aliviadas, e acabam por entrar num esquema traiçoeiro onde num primeiro momento as utilizam como qualquer coisa que ajuda a ficar mais calmo e que até dá prazer, mas mais tarde num esquema de dependência.

 Os exemplos podem ser vários, mas o importante a saber é que, uma grande parte das ansiedades patológicas são curáveis, outras serão susceptíveis de melhoramentos consideráveis que permitem, na generalidade, devolver às pessoas uma vida normal.

  O tratamento é combinado em algumas situações, ou seja, com terapia medicamentosa ansioliticos e antidepressivos e psicoterapia em simultâneo.

  
Saliento que só a medicação não resolve o problema é sempre necessário fazer a psicoterapia.

O objectivo da medicação é ajudar a psicoterapia.

“Os rituais levam-nos a fazer balanços e a ver o que é preciso mudar, mas não há milagres: é preciso fazer por isso”

A psicóloga, psicoterapeuta e investigadora Maria de Jesus Candeias, um dos membros fundadores da PsiRelacional, aborda os efeitos psicológi...

Publicações mais lidas