terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Loucura ? ou Simplemente diferente?



Hoje perdi-me no pensamento e na dor daqueles que chegam até mim no desespero e na agonía de serem e de se sentirem diferentes. Não é o ser diferente que lhes dói. O que lhes dói é a sensação de não serem respeitados na sua diferença, serem olhados como diferentes, incompreendidos, sentirem que não existe espaço nesta sociedade para existirem tal como são...são os loucos!

Em agonía, tristes, muitos isolam-se no seu canto...desistem! Outros , porém, agem a sua dor, continuam a lutar, a tentar existir nesta sociedade, a denunciar activamente e a proclamar os seus direitos!

Nem sempre é fácil existir!
Foi perdida neles que me lembrei deste pequeno texto de um grande escritor, e que descreve muito bem o que é isto da loucura!


Talvez vos sirva de consolo...talvez seja apenas uma questão de números!


“Loucura?! Mas afinal o que vem a ser a loucura?Um enigma…Por isso mesmo é que às pessoas enigmáticas, incompreensíveis, se dá o nome de “loucos”.Que a loucura, no fundo, é como tantas outras, uma questão de maioria.A vida é uma convenção: isto é vermelho, aquilo é branco, unicamente porque se determinou chamar à cor disto vermelho e à cor daquilo branco.É a gente de juízo…Pelo contrário, um reduzido número de indivíduos vê objectos com outros olhos, chama-lhes outros nomes, pensa de maneira diferente, encara a vida de modo diverso. Como estão em minoria…são doidos.Se um dia porém a sorte os favorecesse os loucos, se o seu número fosse o superior e o género da sua loucura idêntico, eles é que passariam a ser ajuizados: Na terra dos cegos, quem tem um olho é rei, diz o adágio: na terra dos doidos , quem tem juízo é doido, concluo eu.O meu amigo não pensava como toda a gente…Eu não o compreendia: chamava-lhe doido…Eis Tudo."


Mário de Sá Carneiro, In "Loucura"

2 comentários:

  1. Olá, ao ler este excerto do Mário de Sá Carneiro lembrei-me de algo que ando há "imenso tempo" para te perguntar.
    Existe a possibilidade de um doente bipolar, chegar ao extremo da depressão e da euforia em apenas um dia, ou ter vários picos no decorrer das 24h?

    ResponderEliminar
  2. Querida Sara,

    Desculpa só agora te responder mas tenho andado atarefada, mas aqui vai:

    Em relação à tua questão sim é possível a um Doente Bipolar, chegar de um extremo ao outro em apenas um dia, ou até mesmo ter vários picos no decorrer das 24h.
    Vou tentar explicar-te porquê:


    A Doença bipolar é um tipo específico de depressão , que se caracteriza por ser Uma Depressão Major, em que todos os sintomas da depressão estão exaacerbados. A específicidada e deste tipo de depressão é que para além de ter os sintomas da depressão normal tem fases em que a pessoa acha que é superior a tudo e tudo ultrapassa (fase maníaca) e outras em que fica completamente deprimida e sem reacção, entrando por vezes num mutismo e isolamento enorme.

    Isto pode acontecer em curtos intervalos porque estas pessoas caracterizam-se por serem pessoas muito inseguras, com uma frágil auto-estima, muito atentas às opiniões e críticas dos outros, e o que acontece é que são extremamente sensiveis e vulneráveis aos estímulos exteriores para além dos interiores. O que acontece é que um pequeno estímulo exterior, se toca algum ponto de conflito, e de dúvida, ou basta que evoque outras memórias mais dolorosas, mesmo que de uma forma indirecta, o sujeito entra de imediato no registo que esses estímulos evocam ou tocam dentro de si. Assim se forem coisas positivas podem entrar na fase maníaca, acrediatando que são os maiores, e conseguem voltar a acreditar, mas basta que no minuto seguinte algo, mesmo simples conversas entre outros ou próximos, lhe evoque memórias e aspectos a que é mais vulnerável e tudo se desmorona e entra na fase depressiva, de isolamento. Toda a estrutura interna do Doente Bipolar é de grande fragilidade e vulnerabilidade ao nível das emoções e dos afectos, e altamente sensíveis a tudo que se passa à sua volta.
    Agora que fique claro que estes doentes devem fazer não só tratamento farmacológico, mas também psicoterapia. Com psicoterapia aprendem a controlar-se a entenderem o seu funcionamento interno e portanto a estarem menos dependentes e vulneráveis aos estímulos exteriores. No fundo a Psicoterapia ajuda-os a confiarem mais em si e a serem mais autónomos.
    Não sei se fui clara, mas em breve prometo-te publicar alguma coisa sobre o assunto.


    Beijos
    MAria de Jesus

    ResponderEliminar

A importância das relações amorosas na nossa vida...

E ntrevista cedida por  Maria de Jesus Candeias  ao   portal de saúde   MSN Saúde & Bem-Estar, Setembro de 2012. 1 - Qual o s...

Publicações mais lidas